15 novembro, 2005

Duarte Gomes Solis - Discursos sobre los Comércios de las Índias

A maior contradição que Solis procura demonstrar nesta obra é um Império disfraçado en la apariencia, faltando en el la sustancia.Critica ferozmente a mentalidade ibérica, demasiado religiosa e conservadora em relação ao comércio, e o desprezo votado pela elite governante em relação aos mercadores, contrariamente o que acontece com venezianos, genoveses ou holandeses e ingleses . Acresce que para piorar a crise ibérica, a Fazenda-Real é gerida por pessoas não ilustradas no comércio , e que apenas uma junta de ricos comerciantes, preparados por possuírem um conhecimento profundo da economia, poderá contornar a crise . Por outro lado defende a minoria religiosa judaica, advertindo que os judeus ibéricos, detentores do grande capital financeiro, ao serem perseguidos ajudam venezianos e turcos , e como contraponto à perseguição que lhe é feita em todo o império filipino, apresenta a liberalidade holandesa que os sabe aproveitar e tomar partido das suas redes comerciais e de conhecimento.
Nesta análise tão profunda ao império filipino, Solis revolta-se através das suas palavras contra os nobres, os verdadeiros inimigos dos mercadores, a quem pedem empréstimos, e a quem denunciam de falsos cristãos quando não são socorridos, e que utilizam a origem judaica para usurparem os seus bens .
Utilizando um ditado de época “ a um Mercador-Cavaleiro não fies o teu dinheiro e de um Cavaleiro-Mercador guarda-te”, Duarte Gomes Solis dá a estucada final dizendo que se os Cavaleiros fossem Mercadores, puderia a Espanha e Portugal triunfar, na medida em que seria melhor para o Rei que o seu Reino fosse rico e Cavaleiros ricos Mercadores, e que dessa forma teria a Península Ibérica capacidade para gerir a Índia à semelhança dos Holandeses, que seguindo o principio Cavaleiro-Mercador ofereciam melhor comércio tanto a chineses como a japoneses, que siendo enemigos por naturaleza, y contra voluntad de sus Reyes, y a’riesgo de que siendo hallados seran luego Castigados: pero la codicia que tambien por su modo es maestra de todas las artes los amistò, y domesticò para los traer a sueldo, y no quiera Dios que se vean señores de la mar, y de la Índia, porque daran buelta en sus mercancias, de que se sabran aprouechar como mercaderes, y Capitanes .
Com estas palavras inflamadas de tom profético terminamos o nosso artigo. O Discurso sobre los Comércios de las Índias seria publicado em 1622, e o seu autor, Duarte Gomes Solis faleceria dez anos depois em 1632, deixando-nos nas suas palavras a visão densa e rica em pormenores da mentalidade de um arbitrista português seiscentista.
Passados quase quatro séculos, os nossos governantes continuam a acentuar a nossa decadência, demasiado ocupados em picardias inúteis e colocando em segundo plano projectos viáveis. A nossa sociedade continua a perseguir os úteis protegendo os inúteis, e apesar de estarmos em pleno século XXI continuamos com as mesmas raízes mediévicas... Todos os dias imolam a nossa inteligência com palavras criminosas... Como costuma dizer um amigo meu:
Portugal é um país de agricultores...
Os que podem cavam daqui.
Os que não podem são aqui cavados.
Os que ficam... são os nabos.
Aqui fica o apelo, deixemo-nos de vãs melancolias e aproveitemos o material humano que nos devia honrar cá dentro, e não o deixemos escapara para fora...

2 comentários:

Anónimo disse...

Jason Calacanis on Podcasting Business Models
I just watched this 12 minute video clip of Jason Calacanis talking about 6 business models around Podcasting which was recorded by JD Lasica from Engadget.
Find out how to buy and sell anything, like things related to quality assurance highway construction on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like quality assurance highway construction!

Pero Vaz disse...

Vamos mas é cavar daqui!
É sempre bom, vencedor, relembrar-nos os nossos defeitos, já antigos. Eu que até andava moralizado pelo meu emprego novo...

Desculpem-me, mas terei que parafrasear alguém:

Falam, falam
Falam, falam
E não os vejo a fazer naaada!!!

Pero Vaz